Instituto Paulo Montenegro e Funap divulgam pesquisa sobre alfabetismo nos presídios de SP PDF Imprimir E-mail
Qua, 26 de Abril de 2006 21:00

A pesquisa, que envolveu 800 presos em 32 presídios, foi realizada pelo Instituto Paulo Montenegro, braço social do Ibope, e pelo Ibope Opinião. O método usado foi o do INAF - Indicador de Alfabetismo Funcional, aplicado anualmente para medir as habilidades e práticas dos brasileiros entre 15 e 64 anos em leitura, escrita e matemática. Os números mostram que as habilidades de leitura e escrita da população carcerária são superiores aos da média da população brasileira.

O estudo teve a intenção de reunir informações detalhadas para aprimorar os programas de escolarização formal e formação geral nos presídios, contribuindo para a ressocialização e empregabilidade dos presos. Para a Funap, o objetivo final é a remição da pena pela educação, a exemplo do que acontece hoje pelo trabalho - a cada três dias trabalhados, é diminuído um dia de pena para o preso. Atualmente, de um universo de 123 mil presos nos presídios paulistas, cerca de 18 mil estudam. “Nosso objetivo é que seja aprovada uma política pública que formalize a remição pela educação, assim teremos concretamente um incentivo para que os reeducandos ingressem em nossas escolas”, declara o presidente da Funap, Iberê Baena Duarte.

Depois da divulgação dos resultados da pesquisa haverá um debate com especialistas em sistema prisional e educadores, entre eles Dr. Carlos Fonseca Monnerat, juiz corregedor do DECRIM; Vera Masagão Ribeiro, da Ação Educativa; e Antonio Carlos Prado, editor da revista IstoÉ. A mediadora será Lúcia Inês Ribas Souza Siqueira, diretora de Promoção Humana da Funap.

Leia também:

Movimento pela remição da pena pela educação entrega manifesto em Brasília

Última atualização em Qua, 15 de Agosto de 2007 09:02
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar