A rima denuncia. Primeiro livro do rapper brasileiro GOG é lançado pela Editora Global PDF Imprimir E-mail
Por Administrator   
Qui, 16 de Setembro de 2010 12:03


 

A Global Editora leva às livrarias o primeiro livro do rapper brasileiro GOG, A rima denuncia. Trata-se de uma organização seletiva das letras das canções do rapper que revoluciona, desde os anos 1980, o nosso conceito de educação em uma sociedade igualitária por meio do hip hop nacional.

A rima denuncia é mais uma demonstração, sem massagens, do que é capaz um povo para não se deixar dominar; é história com veneração pelas palavras.  Remete-nos como por encanto a sonoridades de uma cidade que já não se esconde, silenciada e violada pela corrupção, o povo de Brasília, a capital do mensalão. A busca racional das palavras sugerindo brechas para uma nova sociedade não autoritária e excludente, que permita ao seu povo uma vida justa e decente. Neste livro-vinil, o leitor encontra elementos do socialismo nordestino, como o construído por Zumbi e Antônio Conselheiro, além do pan-africanismo cerrado proclamado por Malcolm X e Mandela, resignados por GOG como projeto de sociedade.

Para Hamilton Borges Walê, que se apresenta como poeta maloqueiro, coveiro amador, GOG inaugura uma nova escola, também fora de seu tempo, lançando rimas como luzes nessa louca maré de racismo, sexismo e capitalismo.

Dividido em oito capítulos, o livro aborda diferentes fases do artista. A publicação pode ser lida como um retrato da música negra feita nas cidades satélites do Distrito Federal nos últimos anos, sendo o autor o personagem principal. Quem condicionou e deu sentido correto às intenções de GOG no texto foi ninguém menos do que o professor de literatura Nelson Maca, um dos ativistas negros do movimento da Bahia, “Uma coisa é ouvir a letra; outra, ler o texto. O Nelson nos ajudou nessa tradução das frases, que, dependendo da pontuação, podem expressar emoções e mensagens diferentes”, destaca o rapper.

Com jeito de quem dispensa os louros da fama, GOG busca explicitar o seu tratamento com o público: “Não faço show, celebro. Celebrar deixa saudade, traz a ideia de união em torno de um momento. Na celebração você bate papo, desmistifica o artista. É diferente de sair de casa, fazer um evento, voltar e nem olhar a comunidade”, argumenta o autor em entrevista ao jornal Correio Brasiliense.

Aos 45 anos, ou “4.5 turbinado”, como prefere dizer, o rapper defende que a educação é uma área de seu interesse. Filho de professora, costuma dizer que estudo é escudo, e lembra ter sido alfabetizado com os livros de Cecília Meireles.

Em dezembro passado, GOG recebeu o prêmio Hutúz, junto com Racionais MC’s, Rappin’Hood e o falecido Sabotage. Incendiou o show de entrega com a canção que foi contemplada como um dos quatro melhores clipes da década, Brasil com P.

“GOG quer que seu livro seja espada, pois ele já deu o escudo”, assim é apresentado por Walê na orelha do livro.

Título:
A RIMA DENUNCIA

Autor:
Genival Oliveira Gonçalves ou simplesmente GOG

Apresentação:
PEDRO ALEXANDRE SANCHES

Organização:
NELSON MACA

Páginas / preço:
256 / R$ 36,00

Lançamento:
agosto de 2010

Público-alvo:
Amantes da boa leitura, poetas, músicos, estudiosos e pesquisadores de música e literatura hip-hop.

Informações:
Guilherme Loureiro
Imprensa / Comunicação
Editoras GLOBAL, GAIA e GAUDI
Tel.: (11) 3277-7999 ramal 209 / DDR (11) 3382-5802
Rua Pirapitingui, 111 - Liberdade
01508-020 - São Paulo - SP
Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.
www.globaleditora.com.br

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar