Em Junho, Periferia fica com jeitão caipira PDF Imprimir E-mail
Sex, 30 de Abril de 2004 21:00
Confira a edição deste mês da Agenda da Periferia.

Pelo quarto ano consecutivo o CDC Tide Setubal promove o Encontro de Cultura Caipira. Espaço referência de qualidade da cena cultural periférica paulistana, o CDC caprichou na programação mais uma vez. Serão três dias de muita festa num arraial para lá de animado. E não é só em São Miguel onde as quadrilhas vão espantar o frio. Há inúmeras uermesses nas paróquias, escolas, unidades dos CEUS nas comunidades onde rolam rodas de samba, saraus, teatro e tudo o mais.

Leia este editorial e confira os eventos deste mês na Agenda da Periferia

É o caso do Centro Cultural em Construção, do Pombas Urbanas na Cidade Tiradentes e no CEU Parelheiros. Não é por um acaso que as festas juninas ganham força na periferia. A vida nos subúrbios tem um estilo do interior e em junho fica mesmo com um jeitão caipira. O pessoal do CDC Tide Setubal explica bem no material de divulgação: “Caipira foi o termo que os índios do interior de São Paulo deram à primeira miscigenação entre o branco e o índio. A palavra kaai-pira, na língua tupi, significa o que vive afastado, o cortador de mato, referência às roças de subsistência de mandioca, milho, feijão, etc. Tudo a ver não é? E na Capital tem três aldeias indígenas.

Vivemos então o tempo da exaltação do encontro entre o rural e o urbano”. Cinema de Várzea. Na edição de fevereiro passado, destacamos o filme do Akins Kinté Várzea – a bola rolada na beira do coração. Foi um dos maiores sucessos culturais da periferia. O filme foi exibido em várias partes, em muitas quebradas e lugares no Centro também. O tema ficou quente e o pessoal do NCA – Núcleo de omunicação Alternativa em parceria com o CEDECA Interlagos vai manter a bola rolando com um festival de cinema dedicado à produção que aborda o tema. E como não poderia deixar de ser, as exibições acontecerão nos campinhos da periferia, em especial no Grajaú, Zonal Sul de São Paulo. Imperdível.

Teatro em toda parte. A seção de teatro na Agenda da Periferia está cada vez mais bacana. Pela terceira vez ela aparece como espaço fixo e pelo visto não sairá mais. O povo da dramaturgia já está reivindicando mais uma página. E não é para menos. Não deixe de olhar a programação, em especial o espetáculo Solano Trindade e Suas Negras Poesias das Capulanas que vai rolar no Centro Cultural do Pombas Urbanas na Cidade Tiradentes.

É muito interessante, neste caso, o intercâmbio: As Capulanas são da Zona Sul e o Pombas são da Zona Leste. Prêmio Hip Hop. A Ação Educativa é parceira do Ministério da Cultura na realização do Prêmio Cultura Hip Hop, cujas inscrições seguem até dia 12 de Julho. Durante o mês de junho faremos oficinas de orientação todas as terças, exceto dia 15 e manteremos um plantão de dúvidas. Quem faz hip hop, faz cultura. Se você é bboy, Dj, grafiteiro ou Mc, não deixe de participar. Conde. O belo desenho que ilustra a capa desta edição é do artista Conde (Reinaldo Alves dos Santos), falecido em 2007, deixando um amplo legado artístico, parte dele exposto no livro que leva seu nome, publicado pela Edições Toró em 2008, do qual extraímos esta ilustração.