Conferência Municipal de Cultura de SP é esvaziada PDF Imprimir E-mail
Sex, 30 de Abril de 2004 21:00
Menos da metade dos inscritos compareceram ao encontro.


A Conferência Municipal de Cultura realizada pela Secretaria de Cultura de São Paulo aconteceu nos dias 23, 24 e 25 de outubro. A Conferência, que teve 650 inscritos, contou com menos de 300 participantes nos três dias, em grande parte do movimento de teatro e movimento negro.

Dividida em eixos temáticos, a proposta da conferência era debater políticas culturais no âmbito do município e eleger os delegados para a Conferência Estadual, que acontece no dia 25 de novembro. O processo de construção em São Paulo, no entanto, foi iniciado com cerca de três semanas de antecedência, o que desagradou a grande maioria dos participantes.

O primeiro dia do encontro, destinado à votar o regimento interno, foi tomado pela discussão sobre seu encaminhamento. Segundo Adriano José, representante da Ação Educativa na Comissão Organizadora da Conferência, “o regimento não foi disponibilizado com antecedência, não foi impresso e só pode ser visto através de um telão, o que fez muitos participantes se recusarem a votar”. O processo de discussão regimental continuou por todo o sábado, segundo dia de conferência, o que prejudicou os Grupos de Trabalho e discussão.

O último dia de conferência acabou acumulando demandas e gerou descontentamento. “As votações ficaram esvaziadas por conta do processo acelerado. A maior crítica foi que não discutiu-se cultura, mas foi gasto muito tempo com o regimento e com as escolha dos delegados”, afirmou Adriano. “O Brasil ainda não possui nem um mercado de cultura e está se tentando ao menos isso, mas foi um ponto no qual a Conferência não conseguiu avançar”, completa. 

Leia editorial da Ação Educativa sobre o processo da Conferência