Juventudes e mundo do trabalho: para onde ir? PDF Imprimir E-mail
Por Administrator   
Qua, 19 de Setembro de 2007 12:43
No mês de setembro, a Prefeitura de Santo André (SP) e a Ação Educativa realizaram a primeira rodada do Ciclo de Debates “Juventudes e mundo do trabalho: para onde ir?”, que tem por objetivo promover um conjunto de reflexões que construam diretrizes para ações dirigidas a jovens no Centro Público de Trabalho, Emprego e Renda

O auditório estava lotado e o interesse geral tem razão de existir. De acordo com dados da última Pesquisa de Emprego e Desemprego (PED), realizada em cinco regiões metropolitanas (Belo Horizonte, Porto Alegre, Recife, Salvador e São Paulo) e no Distrito Federal , os jovens enfrentam grandes dificuldades para entrar no mercado de trabalho.

Quando ocupados são também os jovens, em especial aqueles com baixa escolaridade e provenientes das famílias mais pobres que trabalham em postos de menor remuneração, condições mais precárias e sem direitos trabalhistas assegurados.

Realizada pelo DIEESE (Departamento Intersindical de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos), pela SEADE (Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados), Ministério do Trabalho e Emprego/FAT e governos locais a pesquisa aponta que os jovens com idade entre 16 e 24 anos representam 45% dos desempregados, mas apenas 20% dos que têm empregos

O encontro, que ocorreu em Santo André, foi marcado pela polêmica de propostas antagonistas. O que fazer para enfrentar a situação do desemprego juvenil? Criar postos de trabalho? Investir em educação e postergar a entrada dessa população no mercado de trabalho? Investir em empreendimentos de jovens? Reduzir a jornada de trabalho de todo mundo?

Acompanhe as principais opiniões presentes no debate:










Última atualização em Qua, 19 de Setembro de 2007 12:57