Ação em Rede
Debate sobre política cultural e organização dos grupos artísticos abre Mostra da Cooperifa PDF Imprimir E-mail
Por Administrator   
Qua, 19 de Novembro de 2008 14:21
Evento fechou com show de várias bandas na Casa Popular de cultura do M’Boi Mirim.




A necessidade de organização para se fazer pressão no poder público e barulho na sociedade foi a tônica da mesa de abertura da 1ª Mostra Cultural da Cooperifa. O debate “Cultura e Produção Cultural na Periferia” contou com a presença de Euller Alves, músico do Instituto Umoja, Eleilson Leite, coordenador do programa Cultura da Ação Educativa, e do deputado estadual Carlos Gianazzi (PSOL-SP), no CEU Casa Blanca, na Vila das Belezas.

Gianazzi foi o primeiro a discutir o tema, criticando a política cultural no país. “Há produção [periférica], mas não há espaço. Os programas de fomento costumam contemplar os grandes artistas”, disse. A falta de incentivo aos pequenos projetos artísticos da periferia também foi ressaltada por Euller Alves, que justificou com uma estatística sobre a Lei Rouanet: “95% dos projetos aprovados custam mais de 900 mil reais”. Ele ressalvou, no entanto, que é preciso reconhecer a importância do VAI, programa de fomento cultural da Prefeitura de São Paulo.
 
Eleilson fez uma comparação entre a Lei Rouanet e o VAI: “o programa concedeu a cada um dos cem projetos aprovados R$ 17 mil. Enquanto isso, só o Cirque du Soleil ganhou 9 milhões do Bradesco e da Oi. O VAI é um avanço, mas temos que batalhar para que seja muito maior”, afirmou. Ele também fez uma análise sobre os recursos com que a Mostra Cultural da Cooperifa foi feita. “O fato de a Mostra não ter um centavo do poder público e ter recurso do Centro Cultural da Espanha e da Oxfan é uma situação muito curiosa”, disse.

Por outro lado, todos reafirmaram a necessidade de preparação por parte dos grupos teatrais de periferia para conseguirem suporte na produção de seus projetos e fazer pressão junto ao poder público. “Nós não temos a cultura de discutir orçamento. A periferia se sente estranha na Câmara, mas tem que superar isso e se colocar”, disse Eleilson.

O primeiro dia da Mostra terminou com um show do Teatro Mágico, também no CEU Casa Blanca.

 

Notícias anteriores:

Cooperifa: leia o livro, veja o filme e ouça o disco

Última atualização em Ter, 02 de Dezembro de 2008 11:15
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar