Ação na Escola
Indicadores da Qualidade na Educação: novos rumos em 2010 PDF Imprimir E-mail
Qui, 18 de Março de 2010 13:35
Projeto trabalhará com 23 escolas e promoverá uma pesquisa de balanço dos seus cinco anos de parceria com o programa Ação na Escola, do Instituto Embraer.


Para o ano de 2010, o Projeto Indicadores da Qualidade na Educação tem um panorama bastante animador. Este ano serão três novas escolas parceiras em Santos, quatro em Bauru e oito na cidade de Ourinhos, todas em São Paulo. Essas farão parte do programa de formação dos profissionais da educação e se juntarão a outras oito escolas que já participaram no ano passado.

O projeto – fruto da parceria do Unicef, MEC, Ação Educativa, o Pnud e o Inep - preza pela participação da comunidade escolar em um processo de avaliação da qualidade do ensino nas escolas e elaboração de planos de ação participativos num primeiro ano e pela assessoria às escolas na implantação desses planos, num segundo momento.

Segundo Paulo Neves, assessor do projeto, o amadurecimento da ideia se dá devido ao retorno positivo por parte das escolas que já fizeram parte do programa. “Nas escolas que participaram no ano passado, houve uma resposta muito boa. Professores, pais e alunos disseram que nunca haviam participado de algo parecido, que nunca haviam parado para pensar a escola e a educação em si. E é esse o diferencial do “Indicadores”: a metalinguagem, debater escola na escola”, enaltece.

Balanço


Outra proposta deve marcar a atuação do projeto este ano: uma pesquisa de balanço dos 5 anos do Indicadores da Qualidade na Educação em parceria com o programa Ação na Escola, do Instituto Embraer. A idéia é questionar se a gestão foi modificada nas escolas participantes e que impactos foram causados.

Sete anos depois de ser criado, o projeto tem um perceptível crescimento. O município de Suzano, por intermédio de sua Secretaria de Educação, adotou, pela terceira vez consecutiva, o programa; além de abraçar o recente Indicadores de Qualidade na Educação Infantil.  

Apesar disso, um município da magnitude de São Paulo ainda não abraçou o projeto. Para Cláudia Bandeira, coordenadora do “Indicadores”, isso pode ser explicado pela densidade do programa. “O processo é complexo e delega muito trabalho extra às escolas. No entanto, possibilita uma discussão junto à comunidade escolar sobre o projeto político-pedagógico nas escolas”, conta a educadora.

Este ano, além do apoio da Fundação Telefônica, que já se dá há quatro anos, o projeto conta com o financiamento do Instituto Embraer, parceiro há cinco anos.

Última atualização em Qui, 18 de Março de 2010 14:38
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar