Ação na Escola
Nepso estimula mobilização de jovens na Bahia PDF Imprimir E-mail
Qui, 20 de Março de 2008 13:39
Alunos de dois distritos de Senhor do Bonfim desenvolvem projeto “Comunidade Escola e Políticas Públicas” e pesquisam diferentes temas na região.

A equipe da Ação Educativa responsável pelo “Nossa Escola Pesquisa Sua Opinião” (Nepso) visitou por uma semana, em março, o município de Senhor do Bonfim, na Bahia, para avaliar a aplicação da metodologia do Nepso em quatro escolas localizadas em dois distritos da região: Igara e Tijuaçú (comunidade quilombola) e também para realizar uma oficina sobre Identidade, Pertencimento e a Lei 10.639/03, coordenada por Tânia Portela do Programa Pesquisa e Monitoramento de Políticas Educacionais.
“Ficamos muito bem impressionadas com a animação e mobilização dos jovens que, além de desenvolverem um projeto próprio, participaram de muitas outras atividades”, afirmou Marilse Araújo, coordenadora do Projeto Nossa Escola Pesquisa Sua Opinião, da Ação Educativa.

Esse processo teve início em novembro de 2006, quando educadores da região visitaram São Paulo para conhecer o programa e participar do 5° Congresso IBOPE/UNESCO. Em março de 2007, uma equipe do Nepso foi à região realizar a formação com professores. “Realizamos uma oficina de formação com os professores, que fizeram uma série de pesquisas usando a metodologia do Nepso. Em junho, foi feita a formação só com os jovens, que deram início em agosto ao ‘Comunidade, Escola e Políticas Públicas’”, explica Marilse.

Os professores formados na metodologia do Nepso realizaram nove pesquisas sobre temas como segurança, educação, lazer e drogas. Em seguida, realizou-se com os jovens de Igara uma pesquisa sobre Educação e Cultura no distrito de Tijuaçú.

Um grupo de jovens alunos da Escola Municipal de Baraúna, Escola Municipal Herculano de Almeida Lima e do Colégio Estadual Mariana Agustinho de Oliveira, as três localizadas na região de Igara, desenvolveu o projeto “Comunidade, Escola e Políticas Públicas”, em continuidade ao trabalho de pesquisa feito por professores das mesmas instituições utilizando a metodologia do Nepso.

Na seqüência do projeto, que tem o apoio da “Save the Children Reino Unido”, alunos da Escola Municipal de Tijuaçú foram convidados a entrar no grupo e fizeram a formação com os jovens de Igara, contribuindo  para realizar duas pesquisas: uma sobre Gravidez na adolescência e outra sobre o que era Morar em Tijuaçú. “Além dessas  pesquisas, o grupo  vivenciou um processo de formação em várias temáticas, como direito da criança e do adolescente e identidade racial, e participou de  eventos importantes, como a Conferência Municipal de Educação e a Conferência Municipal de Juventude”, destaca Marilse.

Nesta terceira etapa do processo, dentre todos os problemas mapeados na pesquisa, foi eleito como principal um relacionado a meio ambiente. O grupo considerou como questão prioritária da região o fato de uma lagoa em Igara ser utilizada como lixão.

Essa preocupação com o meio ambiente aproximou esse grupo de jovens ao Grupo Ecológico da Bacia do Itapicuru (Gebi), que é parte do Movimento de Pequenos Agricultores (MPA), e faz trabalho de mapeamento dos problemas ambientais na região. “Eles se interessaram pela pesquisa e começaram a trabalhar junto com os meninos”, destaca Marilse. Um dos jovens, que terminou a 8ª série no ano passado, foi avalizado pelo Gebi para freqüentar a Escola Família Rural, em Monte Santo, de formação técnica agrícola, na perspectiva da Pedagogia da Alternância.

“Verificamos que o grupo precisa da sustentação da Escola, instituição fundamental neste contexto, para apoio e continuidade das ações e mobilização. Os próprios jovens perceberam isso. Também observamos que toda essa mobilização acabou predispondo os professores a tentar trabalhar com o Nepso neste ano”, entende Marilse.

 

Comentários  

 
0 #1 cristina 23-01-2012 15:04
oi eu adorei ter partipado do nepso nesse tempo eu estava e não gostava de falta sempre eu ia.A Eliene e a Veronildessempr e me deixava em contato, mas agora eu perde o contato de vez e sinto falta até hoje eu e minha mãe fala no nepso....
Citar