Observatório da Educação
HacksHackers SP e Observatório da Educação criam grupo para debater uso de dados educacionais PDF Imprimir E-mail
Por Administrator   
Ter, 26 de Fevereiro de 2013 15:16

Jornalistas, pesquisadores e programadores vão se reunir bimestralmente e trabalhar colaborativamente em aplicativos; espaço é aberto à participação de interessados

Foto: Gustavo Faleiros

O grupo HacksHackers SP criou seu primeiro grupo temático em evento realizado em parceria com o Observatório da Educação da ONG Ação Educativa no último sábado (23/02), em São Paulo.

Com o objetivo de aprofundar o debate sobre como utilizar os dados educacionais, o encontro reuniu cerca de 40 pessoas entre programadores, jornalistas e pesquisadores da área da educação.

Na ocasião, foram discutidas formas para divulgar os dados disponibilizados pelo poder público e os passos necessários para solicitar as informações que ainda não estão acessíveis à população.

O grupo também levantou alguns temas de projetos que podem ser trabalhados nos próximos encontros e a distância, por meio de um grupo de discussão virtual: dados relacionados à violência nas escolas; ao absenteísmo de professores; monitoramento dos recursos destinados a reformas e obras nas escolas da cidade de São Paulo e números do investimento do Estado na produção de materiais didáticos.

“Pelo que vimos no primeiro encontro, este será um excelente espaço de formação coletiva, já que cada um traz para a roda diferentes experiências e conhecimentos”, explica Fernanda Campagnucci, coordenadora do Observatório da Educação.

Os encontros serão realizados bimestralmente, na sede da Ação Educativa (Rua General Jardim, 660 – São Paulo), e são abertos à participação de qualquer pessoa interessada no tema. “Esperamos com isso qualificar o debate sobre a educação e estimular o desenvolvimento de aplicativos que facilitem o acesso à informação pública”, diz Fernanda.

Para o jornalista e um dos coordenadores do HacksHackers SP, Gustavo Faleiros, o encontro foi o primeiro passo para se criarem ações concretas de análise de dados educacionais. “A partir de questões relativas à educação, foi-se mostrando quais são as bases de dados necessárias para responder essas dúvidas e, a partir disso, grupos foram criados com ideias de análise”, relata.

“A filosofia do HacksHackers é muito em torno do processo e não apenas o produto final, mas discutir como analisar aqueles dados e qual a melhor tecnologia para eles já é um aprendizado e um resultado em si próprio. A junção de pesquisadores da área de educação, de especialistas em tecnologia e de jornalistas torna os problemas mais reais e a discussão bem mais concreta em busca de soluções”, afirma Faleiros, que é bolsista Knight do Centro Internacional de Jornalistas (ICFJ).

Davi Lira, repórter do jornal O Estado de S. Paulo, considera o encontro um pontapé inicial nesse processo. “Me surpreendeu porque estamos saindo daqui com alguma coisa consolidada. Acho que [esse encontro] tem tudo para prestar um serviço para a sociedade utilizando as capacidades do especialista, do repórter e do programador, que tem uma função imprescindível”.

Na opinião de Davi, hoje o Brasil tem muito dado disponível, mas é preciso avançar na produção de informação. “Talvez uma iniciativa como esta dê mais informações para os dados que já existem”, pondera.

Saiba mais e participe

O grupo de e-mails “Dados e acesso à informação na educação” pode ser acessado aqui. Para ser informado sobre os próximos encontros deste grupo e outros eventos do HacksHackers SP, acesse a comunidade no Meetup.

Do Observatório da Educação
Ter, 26 de fevereiro de 2013

Leia também:

Alckmin veta transparência nas escolas paulistas

Alckmin veta projeto que amplia acesso a conteúdos educacionais

Encontro debate uso de dados abertos na área educacional

Organizações pedem catalogação de todos os dados públicos do estado de SP

 

Última atualização em Ter, 26 de Fevereiro de 2013 15:24
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar