Cultura
São Paulo: A periferia toma conta! PDF Imprimir E-mail
Sex, 30 de Abril de 2004 21:00
Leia coluna de Eleilson Leite, publicada no Jornal Le Monde Diplomatique Brasil, que traz um outro olhar sobre o aniversário da cidade de São Paulo.


Nesta sexta-feira, dia 25 de janeiro, a cidade de São Paulo completará seus 454 anos. Por conta disso, nos últimos dias, a Mídia tem se ocupado com suas inúmeras comemorações, enaltecendo sempre as mesmas coisas. É o sanduíche de mortadela do Mercadão ou os pratos grã-finos dos restaurantes dos Jardins. A suntuosidade do Teatro Municipal ou a arquitetura moderna do MASP. A Catedral da Sé, a Mesquita da Avanhandava ou a Sinagoga de Higienópolis. O comércio do Bom Retiro e da Rua 25 de Março. O dinheiro que corre (ou flutua?) na Avenida Paulista e na Avenida Luiz Carlos Berrini. As baladas nas Vilas: Madalena, Olímpia e Mariana. Os japoneses da Liberdade, os italianos do Bixiga, os espanhóis da Mooca, e por aí vai. Vez ou outra a pauta busca algo inusitado e as reportagens chegam à periferia. Mas quando se fala das bordas da cidade, frequentemente é para mostrar que São Paulo tem vida rural como no distrito de Engenheiro Marcilac, no extremo da Zona Sul, por exemplo, de onde é possível avistar o mar. Sim, São Paulo faz divisa com Itanhaém, litoral sul. Dos 1.509 km² da capital, um terço não é urbanizado. Temos agricultura, pecuária, suinocultura entre outras atividades econômicas típicas do meio rural convivendo na maior metrópole do país.

Quero aqui falar de outra São Paulo. Vou falar da Periferia, pois é essa a minha missão. Mas não pretendo me queixar das misérias que tomam conta dos bairros afastados do Centro. Sabe o porquê? Porque a periferia é a maior parte da capital. A Periferia ocupa cerca de dois terços do território e possui dois terços da população. Um povo que vive amontoado em moradias precárias, favelas, conjuntos habitacionais, singapuras e prédios da COHAB. Mas tem muita gente morando bem e dignamente na Periferia. Já disse aqui e repito: na Periferia a vida é bela apesar da mazela. E acima de tudo, a Periferia é grande, é maioria. Os símbolos tão abordados na grande imprensa para retratar São Paulo são ícones importantes, sem dúvida, mas habitam o imaginário de uma parcela cada vez menor da população. É preciso olhar a Periferia e retratar seus símbolos e encantos.

Mas afinal, qual o tamanho da periferia paulistana? Fiz as contas. No ano 2000, São Paulo tinha uma população de 10.434.252 habitantes, segundo o IBGE( em 2008 chegaremos a 11 milhões). Esse povo se distribui em 96 distritos, dos quais 57 ficam na periferia e somam cerca de 6.838.641 habitantes, ou seja, 63% da população. É bom que se diga que não estou considerando periferia distritos como Tremembé e Vila Medeiros, na Zona norte, que têm bairros muito pobres.  Não incluo também alguns da Zona Leste como Penha, Vila Matilde e Vila Formosa, assim como não considerei a Freguesia do Ó, cantada por Gilberto Gil como periferia no início da década de 80. Naquele tempo poderia até ser. Hoje, os distritos da Brasilândia e da Cachoeirinha dão o contorno periférico daquela região. A Freguesia nem é mais periferia e também não tem mais punks por lá. Mas se juntarmos os bairros desses distritos não considerados em minhas contas, chegaremos seguramente a 70% dos paulistanos.

Não dá mais para falar de São Paulo sem a sua periferia. Nela vivem descendentes de europeus, árabes e orientais. Mas nos arrabaldes predominam os nordestinos com traços indígenas ou pele negra. A Periferia de São Paulo tem a cara do Brasil. Uma nação esquecida. Será que teremos que fazer como sugeriu o poeta Sergio Vaz em sua mais recente crônica: fundar uma república independente? Se este novo país surgisse, a ele agregaria a população de cidades vizinhas que cresceram no processo de periferização de São Paulo. Refiro-me a municípios como Ferraz de Vasconcelos, Poá, Itaquaquecetuba, Araujá e Mauá na fronteira com a Zona Leste; Franco da Rocha e Francisco Morato no lado Norte; Itapevi, Carapicuíba na divisa oeste e Itapecerica da Serra e Taboão, além de Diadema na região Sul. Some a esses, parte de Guarulhos e Osasco. Certamente teremos uma população superior a 10 milhões, ou seja,  três vezes maior que a do Uruguai, e bem maior que muito país europeu. Se o delírio do poeta virasse realidade, São Paulo voltaria, em termos de território, ao que era até o fim do século XIX. Mas não haverá um levante independentista, São Paulo é Nossa! Será um motim cultural. Ferréz, Racionais, Cooperifa já estão aí na fita. Tem muita gente chegando. A chapa está esquentando, poeta. Na Periferia, o povo aprendeu a fazer e não espera mais acontecer.

Se todo artista tem que ir onde o povo está, a grande imprensa poderia fazer movimento semelhante. O foco da grande mídia mudaria se o critério populacional prevalecesse sobre a pauta das reportagens. É comum as TVs e jornais abordarem no aniversário de São Paulo bairros como Bom Retiro, Brás, Barra Funda, Cambuci, Lapa, Liberdade, Pari, Bela Vista e o Centrão com os distritos da Sé e República. Pois bem, a soma da população desses bairros é de 361.344 habitantes, apenas 30 mil pessoas a mais do que a população do Grajaú, na Zona Sul. Esse lidera o ranking dos distritos mais populosos da capital. São 11 regiões com população acima de 200 mil habitantes. Todos na periferia. Vale a pena escalar o time: Sapopemba, São Miguel, Jardim São Luiz, Jardim Ângela, Jabaquara , Itaquera, Itaim Paulista, Grajaú, Cidade Ademar, Capão Redondo e Brasilândia. População total: 2.688.757. Tem mais gente aí do que em quase todos os 39 distritos não periféricos de São Paulo juntos. Seria bom, portanto, olhar como vivem essas pessoas. Um povo pobre, trabalhador, que luta e busca ser feliz apesar de tudo. “Um povo lindo, um povo inteligente” como dizem os poetas da Cooperifa. Um povo que merece ser visto pelas lentes da TV mostrando aquilo que tem de mais bonito.

Num dia de comemoração não precisa denunciar o sofrimento. Continuem exibindo o Samba da Vela, o Sarau da Cooperifa, os mais conhecidos. Mas mostrem também o Samba de São Matheus que rola no Buteco do Timaia. Façam uma reportagem sobre a biblioteca comunitária Suburbano Convicto, organizada e mantida pelo escritor Alessandro Buzo no Itaim Paulista. Tem também o Espaço Maloca no Jardim São Savério coordenada pela escritora Dinha. A Fundação Gol de Letra na Vila Albertina, Zona Norte daria uma excelente reportagem. A Associação Monte Azul, na Favela Monte Azul, Zona Sul, faz um trabalho simplesmente lindo. A luta da UNAS em Heliópolis mantém a maior favela do Brasil animada e de cabeça erguida. O Centro Cultural da Juventude na Cachoeirinha é um exemplo de política pública para jovens em áreas de baixa renda. O CDC Tide Setúbal em São Miguel é uma demonstração de como uma fundação mantida com recursos de empresa pode ter uma atuação em sintonia com a comunidade e programação de excelente qualidade.  

E para encerrar tem a culinária. No bar Saboeiro, Jardim Tremembé na Zona Norte,tem o melhor torresminho da Capital. Eu garanto. O escondidinho do Bar do Zé Batidão na Zona Sul não fica devendo nada ao do Canto Madalena, badalado (e muito bom) restaurante da Vila Madalena. O pastel do Bar do Binho no Campo Limpo é delicioso. A sopa servida no fim do Samba da Vela é inigualável. No Panelafro, o rango é afro e feito com muito esmero. A feijoada do Samba da Laje, na Vila Santa Catarina, preparada com requinte pela Dona Nerosa, é incontestavelmente a melhor entre as rodas de samba.

A Periferia tem seus cantos e encantos. Ela merece estar na Mídia. Mas não como invariavelmente aparece, expondo suas tragédias, mas por sua beleza, pela força do seu povo, por sua riqueza cultural e sua vontade de transformar. O povo não quer sair da Periferia. O povo quer uma Periferia cada vez melhor. Parabéns São Paulo!

Leia as outras colunas de Eleilson Leite, na seção Cultura Periférica.